sexta-feira, 9 de julho de 2010

ESTADO DA COGNIÇÃO:




SENSOPERCEPÇÃO:

Atributo psíquico através do qual o indivíduo pode refletir subjetivamente a realidade objetiva.Alterações quantitativas da sensopercepção:


Hiperestesia - Exagero patológico da sensibilidade; grau excessivo ou inusual de sensibilidade; imagens sensoriais determinadas por estímulos que tem intensidade inferior ao limite de sensibilidade comum - o coito doloroso no homem e na mulher (dispareunia) é uma hiperestesia.

Oxiestesia - Extremo aguçamento da sensibilidade tátil.



Oxipsia - Extrema sensibilidade visual.



Asfalgesia - Sensações dolorosas provocadas por estímulos tácteis de pequenas intensidade.


Caumestesia - Exagero da sensibilidade cutânea para estímulos térmicos.



Glossocinesia - Paciente percebe movimentos de língua ao falar.



Hiperpercepção - Exagero patológico da intensidade, vivacidade ou nitidez da imagem perceptiva, causadas por estados psíquicos especiais - alcança todas as qualidades sensoriais -, determinados por estados afetivos e/ou por patologias psíquicas.

Hipoestesia - Diminuição patológica da intensidade das sensações. refere-se a um número restrito de qualidades afetadas - hipotermoestesia, hipocalegesia.


Hipopercepção - Diminuição sensível e global da sensopercepção, interessando a todas as qualidades sensoriais, embora nem sempre de maneira uniforme.


Anestesia - Abolição da sensibilidade.
Graus extremos de hipoestesia:


( ) analgesia
( ) anacusia
( ) anageusia
( ) anosmia
( ) amaurose
( ) Anestesia de boca
( ) Anestesia de luva ou demeia


Anestesia global




Alterações qualitativas da sensopercepção:


Deslocamento da qualidade sensorial - percepção patológica advinda da intoxicação por agentes pisicodislépticos - troca de uma qualidade sensorial por outra; o paciente refere que está "vendo" sons de música e "ouvindo" cores ou objetos.

Alteração da codificação da mensagem sensorial - Daltonismo (cegueira ao verde e o vermelho), cegueira para as cores (ver em tom cinzento que oscilam entre branco e o preto), hipersensibilidade para o azul, vermelho, amarelo, etc. (todos os discromatismos).

Erros de decodificação da mensagem sensorial - alterações da síntese perceptiva nas quais os elementos sensoriais normais são interpretados inadequadamente.

Perversões da sensibilidade
:

( ) Cascomia - sentir como agradáveis odores repugnantes e fédidos ou como desagradáveis odores comuns
( ) Parageusia - o mesmo para o paladar
( ) Acantesia - sensação cutânea dolorosa ou desagradável aos estímulos usuais e de pequena intensidade
( ) Troca ou despasiamento da qualidade sensorial - exemplos: páginas brancas de um livro são vistas como vermelhas - as pessoas podem ser vistas sendo verdes.


Pseudopercepções - percepção falsa, erro perceptivo, percepção prejudicada por uma alteração do juizo de realidade ou por uma síntese perceptiva equivocada:


( ) Ilusões - percepções deformadas do objeto, uma deformação da imagem perceptiva. Causas prováveis:
__ Peculiaridades de sistema de refração - aberrações cromáticas, deformações da imagem de objetos vissualizados parte em meio líquido e parte em meio aéreo
__ Limitações naturais dos órgãos dos sentidos - Ilusões de ótica, "paralaxes" paralaxes binoculares
__ Simultaneidade de sensações - notadamente se forem rítimicas e monótonas - pode provocar um equívoco da síntese perceptiva
__ Alterações da consciência - a turvação ou obnubilação da consciência e a disprosexia concomitante fazem com que os estímulos sejam percebidos e deformados. Ilusões metamorfósicas:
  • Macropsia - as coisas são percebidas aumentadas de tamanho
  • Micropsia - objeto são vistos diminuidos
  • Dismegalopsias - objetos visualizados deformados, partes aumentadas ou diminuidas
  • Porroxias - objetos percebidos como se estivessem em movimentos, aproximando ou afastano do observador:
__ Falta de atenção - relaxamento normal da atenção ou manifestações patológicas (disprosexias) causando distorção na percepção
__ Catatimias - manifestam a influência da dimensão afetiva sobre a percepção da realidade; sob pressão de fenômenos afetivos - desejos, temores, paixão -, a percepção pode resultar deformada
__ Erros de julgamento - auto ou heteroinduzido, normais ou patológicos (delírios) mobilizando a sugestibilidade
__ Reconhecimento deficiente - reconhecimento equivocado:

( ) Alucinação - Aparecimento na consciência de uma imagem - a imagem alucinatória, com todas as características de uma imagem perceptiva sem que lhe corresponda qualquer objeto- também chamada e percepção sem objeto:
  • Simples - dizem respeito a uma única qualidade sensorial
  • Complexas - variadas qualidades sensoriais
Tipos de alucinação:
  1. Visuais
  2. Auditivas
  3. Gustativas
  4. Olfativas
  5. Tácteis
  6. Térmicas
  7. Dolorosas
  8. Cenestésicas
  9. Cinestésicas
Nota importante s/ a alucinação: O Grau de Convicção é o principal elemento diagnóstico das alucinações, além de sua projeção para o exterior - esses dois fatores devem ser cuidadosamente pesquisados. É frequente que o doente busque discimular suas alucinações. Com igual frequência ele as deixa entrever na sua atitude. Principalmente tratam-se de alucinações auditivas ou visuais

( ) Alucinose - Designação que se atribui à imagem patológica que possui todas as características da imagem alucinatória, menos a convicção de realidade ou participação do EU - o paciente reconhece essa experiência perceptiva como algo estranho a si mesmo

( ) Pseudoalucinações - Alucinações psíquicas,automatismo mental e eidetismo - Falta ao paciente a convicção que é a marca da alucinação

Nota final sobre as pseudopercepções: o prognóstico das pseudopercepções é tão pior quanto mais clara for a consciência do doente e quanto menos afetada esteja sua afetividade.





ATENÇÃO:

Na área cognitiva do psiquismo, a atenção funciona como elemento da seletividade perceptiva e no direcionamento do pensamento



Distraibilidade - Atenção extremamente excitável e inconstante como resultado do enfraquecimento acentuado ou desenvolvimento insuficiente da atenção voluntária e consequente predomínio da atenção automática

Hipoprosexia - Enfraquecimento significativo da a atenção em todos os seus aspectos; tanto a atenção voluntária quanto a involuntária se encontram comprometidas e ineficazes

Hiperproxexia - Predomínio franco da atenção espontânea que se torna exagerada fazendo parecer enfraquecida a atenção voluntária, sem que isso ocorra de fato


Aprosexia - Abolição completa da atenção voluntária e involuntária



Desatenção seletiva - Prejuizo da atenção para determinados aspectos da realidade, determinado por estados psicorreativos - situação comparada aos mecanismos de defesa, qando o paciente exclui de sua área de atenção os objetos inaceitados ou indesejados.

Disprosexia - Designação geral que permite referir qualquer pertubação patológica da atenção. Patologia não especificada da atenção



PENSAMENTO
Uma das formas do ser humano manifestar sua adaptabilidade. Traduz sua aptidão de elaborar conceitos, articulá-los em juizos e construir raciocínios de modo a solucionar, com êxito, problemas cos os quais se depara



Patologias da capacidade conceitual:




Desintegração dos conceitos - Perda da capacidade de relacionar a idéia do ojeto com a palavra que a expressa (*)


Condensação dos conceitos - Reunião do conteúdo de dois ou mais conceitos em uma única idéia que se expressa em uma única palavra (*)

(*) Manifestam pelos neologismos


Perda das relações conceituais (Pensamento incoerente) - Abolição ou prejuizo da capacidade de relacionar as idéias, através dos significados das palavras que expressam conceitos - deteriora-se a ligação lógica que se estabelece normalmente entre os conceitos


Deficiência conceitual - Estado deficitário de estabelecer relações entre o objeto e seus atributos, dos conceitos entre si e pobreza da capacidade de generalizar, de abstrair - dificuldade ou incapacidade de construir e manejar conceitos, sobretudo abstratos

PATOLOGIAS DO JUÍZO:


  • Um juizo patológico é sempre um juizo falso; mas não é a inverossimilhança que caracteriza a patologia
  • Os juizos patológicos originam-se de duas condições principais:
A - Os que resultam de hiposesenvolvimento, lesão ou disfunção de estruturas psíquicas que fundamentam ou secundam a capacidade de ajuizar - juizo deficiente patológico (alterações quantitativas)

B - Aqueles nos quais se manifestam a incapacidade de estabelecer relação entre o conteúdo interno do juizo (as proposições e/ou as conclusões) e os dados de realidade - esse defeito da capacidade conceitual e o delírio (alterações qualitativas)

Juizo deficiente patológico (deficiência do julgamento, juizo prejudicado) - Resultantes de hipodesenvolvimento, lesão ou disfunção de estruturas psíquicas que fundamentam os secundam a capacidade de ajuizar

Possibiliade de referir-se à:

  • Deficiência mental (Juizos insuficientes):
Pobreza de juizos acompanhada sempre de deficiência conceitual e o raciocínio deficiente, além de outras exteriorizações da interrupção ou retardamento do desenvolvimento do sistema nervoso central


  • Deficiencia sensorial e pacientes que apresentam agnosia ou distraibilidade (juizo insuficiente):
Insuficiencia ou deformação no ingresso de informações

  • Estados demenciais (Juizo debilitado):
Deterioração de todos os processos psíquicos, inclusive a capacidade judiciante


  • EstaDos confusionais - (Das psicoses sintomáticas, das intoxicações agudas, das doenças mentais organo-cerebrais):
Obnubilação da consciência - constitui-se em um impedimento à compreensão da realidade

  • Na epilepsia (Estados mórbidos causados por traumatismo cranianos, estados crepusculares psicogênicos):

Alteração patológica da memória determinando alteração do juizo (como na desorientação amnésica)


  • Estados depressivos, hipertímicos, ansiosos:

Alteração afetiva causando uma pertubação da capacidade de ajuizar


Juizo delirante - delírio, desilusão ou idéia delirante:


Caracterizado por falta de consciência do transtorno, inverossimilhança de seu conteúdo, extraordinária convicção e notável certeza subjetiva em sua veracidade, irredutibilidade ante a refutação lógica ou negação pela experiência, tendência a hipertrofiar-se e a difundir-se.

CLASSIFICAÇÃO DOS DELÍRIOS:

  • Jaspers:


  1. Idéias delirantes verdadeiras - "incompreensíveis" e inesplicáveis
  2. Percepção delirante - quando se atribui a uma percepção normal significado anormal, na maioria das vezes de auto-referência, sem que para isso existam motivos compreensíveis, quer do ponto e vista da razão, quer dos sentimentos
  3. Ocorrência delirante - fenômeno inteiramente patológico, crença puramente subjetiva, sem qualquer ponto de apoio na realidade

  • Schneider:

  1. Idéia deliróide - delírio incompreensível e explicável, decorrente de pertubação de humor, de uma situação afetiva traumática, de uma situação pertubadora ou de uma constelação existencial danosa
  2. Reação deliróide - compreensível do ponto de vista da razão ou dos sentidos - distimias, ansiedades, desconfiança, sofrimento, culpa, vergonha, etc.

  • Levando-se em conta sua duração:

Delírio agudo:




Experiências mórbidas transitórias e reversíveis


Delírio crônico:

Integram-se à personaliade do enfermo e passam dirigir suas ações no mundo exterior; afirma que ele pensa e conduz-se em função de sua concepção mórbida. Nesse caso as iéias delirantes formam o essencial do quadro clínico

  • Quanto a possibilidae de ocorrência:
  1. Verossímeis - temas e ocorrencias passíveis de ocorrer
  2. Inverossímeis - são impossíveis nas circunstâncias em referência ou absolutamente impossíveis - o grau dos delírios inverossímeis mais avançados são os delírios fantásticos que acontecem na parafrenia
  • Quanto ao curso temporal do delírio:
  1. Retrógados - quando dirigem para o passado
  2. Anterógrados - quando estão dirigidos para o futuro
  • Quanto ao número e grau de elaboração dos delírios:
  1. Simples - resumem-se a único juizo delirante ou alguns juízos em volta de um único tema, como na paranóia e em certos delírios induzidos
  2. Complexos (polimorfos):
- Mutáveis - quando mal-estruturados

- Delírios sistematizados ou elaboração delirante - os juízos delirantes formam uma organização sistematicamente estruturada

  • Conforme sua temática:
  1. De desconfiança - de perseguição, de influência, de ciúme ou delírio celotipico, de reivindicação, de prejuizo, etc.
  2. Expansivos - de grandeza, de beleza, de força, de vigor, de poder, de riqueza, de linhagm ilustre, de inteligencia, de invenção, de salvação do mundo, de missão divina, de graça, de prestígio, etc.
  3. Depressivos - delírio hipocondríaco, de auto-acusação, de prejuizo, de possessão diabólica, de danação, de negação de órgãos, de inexistência, de cataclismo cósmico, etc.
  • NOTAS:
  1. Delírio auto-referente - caso o tema do delírio diga respeito à própria pessoa do delirante
  2. Delírio hetero-referente - quando se referem a outrem - esses são raros - dentre os temas delirantes, os de perseguição são os mais comuns

PATOLOGIAS DO RACIOCÍNIO:


  • Pertubações do encadeamento formal das idéias:
Referem-se ao aumento ou diminuição do fluxo do raciocínio


Bradipsiquismo (badifrenia ou inibição do pensamento) - lentificação muito pronunciada do curso do pensamento, sempre acompanhada de dificuldade ou impossibilidade de dirigir com clareza o encadeamento da idéias


Taquipsiquismo (taquifrenia ou exaltação da ideação) - Aceleração patológica do fluxo do pensamento - Pode apresentar-se com graus muito diferentes de intensidade


- Com fuga de idéias - perda da coerência da linguagem resultante da extrema velocidade do pensamento - a capacidade de expressar fica muito aquém da rapidez com que ocorrem as idéias


  • Sintomas que revelam alteração patológica da estrutura do encadeamento lógico das idéias:
Deficiência patológica do raciocínio - pertubação do encadeamento lógico das idéias, sobretudo da possibilidade de formular e manejar abstrações, além de prejuízo da capacidade de generalização

FORMAS DE MANIFESTAÇÃO:

- Raciocínio deficitário (pensamento oligofrênico) - origina-se na deficiência conceitual, nos juizos insuficientes e na pobreza associativa - resulta na interrupção ou no retardamento do desenvolvimento do psiquismo

NOTA: O pensamento oligofrênico é o eixo fenomenológico da deficiência mental, qualquer que seja seu grau de intensidade - na deficiência mental podem ser identificadas duas condições distintas:
  1. A oligofrenia - determinada por causas orgãnicas
  2. A pseudo-oligofrenia - originada de causas afetivas ou sociais, de deficit senso-perceptivo ou estimulação deficiente
- Raciocínio demencial (pensamento deteriorado) - progressivo ou súbito empobrecimento racional que acomete o indivíduo após seu desenvolvimento mental ter atingido a plenitude - reflete a deterioração mental ao nível do raciocínio

Perseveração ideativa - pertubação da flexibidade do pensamento que consiste na repetição inadequada de conteúdos ideativos, após terem surgido adequadamente - pode ser utilizada para preencher uma lacuna evocativa, resultar de bradpsiquismo ou sugestionalidade - deve ser distinguida da estereotipia

Bloqueio do pensamento (interceptação ou detenção do pensamento) - o pensamento é momentaneamente bloqueado, interrompido abruptamente em seu curso - é comum que o paciente refira que o se pensamento se desvaneceu ou foi interrompido como se encontrasse um obstáculo intransponível

Pensamento obsessivo (obsessão ideativa) - idéias que se impõe à consciência de forma incontrolável voluntariamente pelo paciente e que determinam nele grande angústia - podem causar medo ou impulsionar imperiosamente a alguma ação - quando se resumem ao medo, estão associadas às fobias - quando motivam ações, fazem surgir os atos ou rituias compulsivos

CUIDADO! Não confundir os pensamentos obsessivos com as idéias fixas


( ) Idéias fixas - considerado normal do pensamento - distinguem-se das obsessões por estarem sujeitas a controle voluntário, por não produzirem angústia e nem interferirem na atividade


Conteúdos das idéias obsessivas que fazem sofrer o enfermo:


PREOCUPAÇÕES MORAIS

Sentimentos de culpa, de vergonha, idéias de pecado, de transgressões, impulsos condenáveis e inaceitáveis para a pessoa


PREOCUPAÇÕES DE LIMPEZA

Lavar-se excessivamente e demoradamente, recusar apertar as mãos, tocar maçanetas, pegar dinheiro ou outros objetos de uso comum d outrem, usar utensílios de alimentar que não sejam os seus

PREOCUPAÇÕES METAFÍSICO-RELIGIOSAS

O fim do mundo, as dimensões de deus, o fim do fim, a eternidade, o universo


IMPULSO DE REPETIR

Impulso incoecível de repetir números, de fazer cálculos, de manipular palavras e muitos outros mais


DISSOCIAÇÃO SENTIMENTO-EGO


Característica dos estados obsessivos - consiste no fato de que o paciente é consciente de que este fenômeno é algo que emana de sua própria personalidade (ao contrário dos delírios) e conserva a capacidade crítica de modo a reconhecer o absurdo, a ilogiciade, a morbidez de seu conteúdo ideativo - mesmo assim, não vê diminuida a grande ansiedade gerada por suas obsessões

Incoerência - organização alógica do pensamento



CLASSIFICAÇÃO CONFORME ELEMENTOS CAUSAIS:

  1. Incoerência por traquipsiquismo - na fuga de idéias
  2. Nos estados confusionais onde se origina da turvação da consciência
  3. Na dissociação e desagregação da esquizofrenia e na prolixidade
Pensamento confuso-onírico (confusão mental) - correlato da confusão onírica do pensamento incoerente na medida em qe se desprende das categorias lógicas - apresentam associações predominantemente catatímicas - a percepção está prejudicada, o julgamento deficiente e a atenção ineficaz

Desagregação - expressa na desconcatenização do pensamento a perda da capacidade de estabelecer relações conceituais - o pensamento resulta dissociado, anárquico - os conceitos distantes das palavras que os expressam e estes, de seu significado - quebram-se os sistemas de construção de frases e prejudicam-se os recursos de utilização sintática (disposição das palavras na frase e nas frases do discurso) - é a ilogicidade lúcida do pensamento - a incoerência não resulta de obnubilação da consciência, o que a distingue da incoerencia dos estados confusos-oníricos

Prolixidade - pensamento incoerente resultante da incapacidade de concluir causada pela dificuldade ou impossibilidade de distinguir o essencial do que é acessório no conteúdo ideativo


IMAGINAÇÃO:


Trata-se da capacidade da consciência humana de elaborar imagens referentes a objetos e fenômenos que nunca estiveram ao alcance de seu sensório. As imagens de imaginação na consciência são denominadas imagem da fantasia ou imagens fantásticas - estas se projetam no espaço interno, tem contornos indistintos, não apresentam corporeidade e apresentam clareza variável. Algumas vezes são notavelmente nítidas, quando se denominam imagem eidéticas - trata-se de fenômenos extremamente importante na infância. Sua força decresce com a idade, daí porque muitas condições consideradas patológicas na idade adulta são experiências psíquicas normais na infância


PATOLOGIAS DA IMAGINAÇÃO:



Pseudo-alucinação (imagem eidética) - conteúdos imaginários dotados de tal nitidez e intensidade que podem ser confundidos com imagens perceptivas


Pseudologia fantástica - o indivíduo recorda uma experiência imaginária como se vivida, quase sempre a custa de sugestão auto-induzida.
ATENÇÃO! As crianças, principalmente as pré-escolares, apresentam normalmente a pseudologia fantástica - os companheiros imaginários, proprieades, viagens e outras fantasias infantis são frequentemente confundidas com a realidade

Fabulação - o paciente preenche as lacunas da evocação com material imaginado e não consegue se dar conta isto


Mitomania - tendência patológica a mentir - quando o paciente, em seu interior, sabe que o narrado não tem correspondência com a realidade.


FORMA PARTICULAR DE MITOMANIA:

( ) Patomimia - imitação de doença

Observação: em pacientes neuróticos, é necessário distinguir a mitomania (manobra compensatória para superar sentimentos de inferioridade ou desejos de afirmação) da mentira compulsiva-obsessiva que traduz um mecanismo obsessivo compulsivo

Exarcebação da imaginação - exaltação da imaginação que acompanha os estados de agitação psicomotora. Aceleração e incremento da atividade imaginativa cuja intensidade e natureza do conteúdo estão em sintonia com o estado do humor

NOTA IMPORTANTE: este fenômeno pode acontecer de forma aparentemente paradoxal nos estados depressivos como elemento associado à hipersensibilidade dolorosa - neste caso, predominam os temas desagradávesis, dolorosos, pessimistas, de auto-acusação, relacionados com os juizos sobrevalorados

Inibição da imaginação - diminuição patológica da capacidade imaginativa, tanto em termos quantitativos, quanto qualitativos

BIBLIOGRAFIA:


  1. KERBIKOV, O. e colaboradores - "Psychiatrie" - Ed. Mir -Moscou - 1976.
  2. LEMES LOPES, J. - "Delírio" - Ed. Atheneu - Rio - 1982.
  3. MILLON, T. - "Psicopatologia Moderna" - Ed. Salvat - Barcelona - 1976.
  4. MONEDERO, C. - "Psicopatologia General" - Ed. Biblioteca Nova - Madri - 1973.
  5. MONEDERO, C. - "Psicologia evolutiva y sus manifestaciones Psicopatológicas" - Ed. Biblioteca Nova - Madri - 1976.
  6. NÁGERA, V. - "Propedéutica Clínica Psiquiátrica" - Ed. Salvat - barcelona - 1952.
  7. NOBRE DE MELO, A. L. - "Psiquiatria" - Ed. Civilização Brasileira - 1979.
  8. OLIVENNES, A. -"Delírio e Realidade" - Ed. Civilização Brasileira - Rio - 1975.
  9. PAIM, I. - "Fenomenologia a Atividade Representativa" - Ed. Grijalbo - São Paulo.
  10. PORTELA NUNES, E. - "Obsessão e Delírio: neurose e Psicose" - Ed. Imago - Rio - 1976.
  11. REICHARDT, M. - "Psiquiatria General y Especial" - Ed. Gredos - Madri -1958.
  12. REY ARDID, R. - "Psicologia Médica" - Ed. Expraxs - Barcelona - 1974.
  13. RUIZ OGARA, C. e colaboradores - "Manual de Psicologia Médica y Psicopatologia" - Ed. Toray - Barcelona - 1976.
  14. SARASON, I. G. - "Psicologia Anormal" - Ed. Trilhas - México DF - 1978.
  15. SCHLOBIES, M. - "Manual de Diagnóstico Diferencial em Psiquiatria" - Ed. Manole - São Paulo - 1978.
  16. SCHINEIDER, K. - "Problemas de Patopsicologia y de Psiquiatria Clínica" - Ed. Paz Montalvo - Madri 1947.
  17. SCHINEIDER, K. - "Psicopatologia Clínica" - Ed. Mestre Jou - São Paulo - 1978.
  18. VAN LAERE, J. E. - "Elementos de Psiquiatria" - Ed. Troquel - Buenos Aires - 1964.
  19. WITBRECHT, H. J. "Manual de Psiqiatria" - Ed. Gredos - Madri - 1970.

Um comentário:

  1. gostei muito do documentário
    vou usar ele para uma pesquisa escolar!
    obrigado

    ResponderExcluir